MENU

28 C
Goiânia
sábado, 6 março 2021
Início Coronavírus Goiás tem seis regiões em estado de calamidade e segunda onda de...

Goiás tem seis regiões em estado de calamidade e segunda onda de Covid-19 mais forte que a primeira, diz Saúde

Secretaria emitiu orientações de como cada cidade deve agir para evitar o avanço da doença. Ocupação nos leitos de UTI é de mais de 90% na rede estadual.

A segunda onda de Covid-19 está mais forte que a primeira em Goiás e seis regiões do estado estão em situação de calamidade, segundo dados divulgados nesta quarta-feira (17) pela Secretaria de Estado de Saúde. Foram emitidas orientações de como cada município deverá agir para evitar o avanço da doença de acordo com a situação da região em que está localizado.

“A segunda onda está mais forte do que a primeira. Felizmente, o estado expandiu estruturas, continuamos expandindo, mas não teremos leitos para 7,2 milhões goianos. Precisamos, de fato, frear a contaminação”, disse o secretário de Saúde, Ismael Alexandrino.

Ao todo, o estado é dividido em 18 regiões de saúde (veja quais cidades estão em cada área). Em um terço delas, a situação foi considerada preocupante.

“Nós fizemos uma distribuição de casos confirmados por semana epidemiológica de cada região de saúde do estado. Quando fizemos essa avaliação, vimos que em seis regiões temos uma situação que nos preocupou muito, porque no segundo pico de casos temos uma situação pior do que a primeira onda”, disse a superintendente de Vigilância em Saúde, Flúvia Amorim.

As regiões de saúde listadas com uma segunda onda pior que a primeira foram a da Estrada de Ferro; do Rio Vermelho; São Patrício I; Norte; Oeste I; e Nordeste II. Dentro dessas áreas estão 97 cidades. Entre elas estão Caldas Novas, Catalão, Nova Crixás, Aruanã, Itapaci, Ceres, Porangatu, Minaçu, Iporá e Posse.

Em regiões com situação de calamidade, a secretaria recomenda a interrupção de todas atividades, exceto: supermercados, farmácias, postos de combustível e serviços de urgência e emergência em saúde.

“Temos um aumento considerável de casos e um aumento maior em cidades fora da Região Metropolitana”, disse a superintendente.

Casos de Covid-19 na segunda onda, em regiões de Goiás — Foto: Reprodução/Facebook
Casos de Covid-19 na segunda onda, em regiões de Goiás — Foto: Reprodução/Facebook

Conscientização

Durante a reunião, o governador Ronaldo Caiado (DEM) pediu conscientização da população para evitar aglomerações e pediu uma ação mais firme por parte dos municípios. “É grave o momento. Peço a compreensão de todos. Propusemos uma portaria para que tivéssemos o cancelamento das atividades de bares e boates a partir das 22h, mas muitos não quiseram assumir ou prorrogaram o prazo. E o que estamos vendo é o agravamento da situação”, disse.

“Isso é algo que é afrontoso, imaginar que pessoas estão morrendo em decorrência da contaminação de um vírus e outras pessoas estão festejando como se nada tivesse acontecendo. Essa conscientização que peço de todos”, completou o governador.

Situação de calamidade

A Secretaria de Saúde explicou que para montar o mapa da situação de cada região do estado em relação à Covid-19 foram analisados os números de casos confirmados, a taxa de internação e ocupação de leito, além dos registros de síndromes respiratórias agudas graves em cada município.

Após a elaboração do mapa, a secretaria divulgou que seis estão em situação de calamidade, oito em nível crítico e quatro em alerta. A atualização vai ser feita semanalmente.

“Isso é uma fotografia da situação do estado. A pandemia não deve ser analisada de forma individual. Se um município está em situação melhor, mas está na região vermelha devido ao município do lado, ele não deve agir de forma indiscriminada”, reforçou o secretário de Saúde.

Veja quais restrições as cidades devem tomar nos três cenários:

Situação de alerta: funcionamento de todas as atividades, exceto eventos com mais de 150 pessoas, com o uso e fiscalização de protocolos específicos para as atividades afins;

Situação crítica: funcionamento das atividades de alto risco de transmissão com lotação máxima de 30% da capacidade, conforme abaixo:

  • Instituições religiosas;
  • Bares e restaurantes.

Funcionamento das atividades de médio risco de transmissão com lotação máxima de 50% da capacidade, conforme abaixo:

  • Academias, quadras esportivas escolas de esporte;
  • Salões de beleza e barbearia;
  • Shoppings e centros comerciais.

Para as atividades abaixo relacionadas, seguir recomendações específicas:

  • Eventos sociais: capacidade máxima de 150 pessoas
  • Empresas e escritórios: prioritariamente para trabalho remoto ou 50% da capacidade do estabelecimento em trabalho presencial.
  • Transporte públicos: lotação máxima limitada ao quantitativo de passageiros sentados;
  • Funerais: máximo de 10 pessoas.

Situação de calamidade: recomenda-se a interrupção de todas atividades, exceto: supermercados e congêneres, farmácias, postos de combustível e serviços de urgência e emergência em saúde.

Últimas Notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui